ptenes

Blog

Está chegando a época do ano em que toda a família começa a pensar: O que fazer com as crianças de férias? Como vocês, também estou aqui me programando, tentando me "reinventar" com os pequenos em casa! Então, decidi compartilhar um pouco do que penso e tento praticar no nosso dia a dia! Falando sobre alimentação, parece um consenso que com a quebra da rotina está “tudo liberado”. Nesta época os pequenos costumam dormir e acordar mais tarde, têm mais acesso a alimentos diferentes durante os passeios e querem abusar das guloseimas ao longo do dia em casa. Algumas das regras que valem para o ano todo podem ser quebradas em nome da praticidade e da diversão, mas isso não precisa significar abrir mão dos hábitos de uma alimentação saudável. Veja algumas dicas que poderão ajudar no dia a dia das férias:
  1.  Por mais que pareça chato, seja firme: a flexibilização da rotina alimentar do seu filho não deve virar bagunça! A criança precisa entender que se trata de um período atípico em que exceções serão permitidas um pouco mais frequentemente.
  2.  Atenção redobrada com os que têm até os dois anos! Para esses, nada de mudanças. Eles precisam comer em horários regulares e não devem ser expostos a alimentos inadequados como açúcar, sucos artificiais, chocolates, frituras, fast-food´s.
  3.  Cuidado com a despensa! Não faça estoque de biscoitos e guloseimas em casa. Quanto maior a oferta e o acesso a esse tipo de alimento, mais seus filhos o desejarão. Se a sua geladeira estiver repleta de doces e refrigerantes, sempre que a porta for aberta despertará um desejo imenso em quem a abriu. Se um adulto já tem dificuldades em resistir a essas tentações, imagine uma criança. Isso é covardia!
  4. Atenção aos exageros! Quando sair da rotina, controle pelo menos a quantidade. Se oferecer batata frita, opte pela porção menor. Se for um milkshake, fique com o copo de 300ml, se cachorro quente, fuja daquele excesso de opções de recheio.
  5.  Cuidados com o transporte dos alimentos. Essa é uma época muito quente, o cuidado com a contaminação dos alimentos deve ser redobrado. Quando a criança ainda está na fase de beber o leite na mamadeira, prefira levar o pó do leite em um potinho. Não é recomendado que o iogurte ou outras bebidas lácteas fiquem sem refrigeração por mais de três horas. Ao levar uma fruta, se possível,leve-a inteira.
  6.  Muito cuidado com comidas "de rua". Alimentos expostos em carrinhos e até estufas, podem facilmente ser contaminados. Se for comer uma pizza, prefira aquela assada na hora e não as de balcão. Cuidado com as barraquinhas e carrinhos abertos na rua. Não ofereça esses alimentos às crianças!
  7.  Não pule o café da manhã! Comece o dia bem. Um pãozinho com requeijão e uma vitamina de leite batida com fruta seria uma ótima ideia. Se acordar mais tarde, próximo ao almoço, pode abrir mão do pão, mas é importante que tome pelo menos a vitamina.
Então... O que oferecer? Leia o meu post de amanhã... Espero vocês e seus comentários! flickr-7651703666-hd Comentar (1 Comentário)

Atendo muitas mães de bebês no consultório, a maioria tem sempre a mesma pergunta:  - O que tenho que colocar na papinha para que ela fique completa, com todos os grupos alimentares? Elaborei um resumo para as mamães de bebês que já passaram dos seis meses e estão na alimentação complementar, anota aí!

Cada papa deve ser composta por, pelo menos, um item de cada grupo:

 Carnes: Bovinas, aves, peixes (pode ser substituída, de vez em quando, por gema de ovo cozida)  Verduras: Almeirão, agrião, espinafre, couve, brócolis, escarola, repolho, rúcula, acelga, chicória  Legumes: Cenoura, abobrinha, beterraba, berinjela, jiló, couve-flor, nabo, chuchu, quiabo, vagem, aipo  Tubérculos: Batata, cará, inhame, abóbora, mandioca, mandioquinha  Cereais:  Arroz, aveia, fubá, massas  Leguminosas:  Feijão, soja, lentilha, grão de bico, ervilhas

Observações:

 Quantidade: varia de acordo com o peso, a idade, a aceitação, entre outros fatores. Sugiro que, inicialmente, guiem-se por aqueles potinhos de papinha industrializada, que trazem, em média para a primeira etapa, 120g. Outra dica é colocar no prato a medida da circunferência de um pires pequeno, de café. Rapidinho vocês começarão a perceber quando ele começar a pedir mais.  Temperos: Use cebola, salsinha e alho. De vez em quando, cebolinha, tomilho, salsão. Vá observando a aceitação do bebê. Tendo em vista que por volta dos 12 meses ele deve estar apto a alimentar-se com a comida da família, sugiro que por volta dos 10 meses, comecem a introdução do sal, de preferência o sal marinho integral e em pequenas quantidades (uma "pitadinha").  Consistência: Amasse os alimentos com o garfo, mas deixe alguns, como a batata que é molinha, picadinha para a criança já se habituar com alimentos mais sólidos. Nada de liquidificador!  Depois de pronta, adicione um fio de azeite extra-virgem, acidez menor que 0,5% ao pratinho do bebê e, de vez em quando, pingue gotinhas de limão para aumentar a absorção do Ferro e variar o sabor!  Vamos continuar falando sobre esse assunto em outros post´s, afinal, PAPINHA É COISA SÉRIA! Enquanto isso, aguardo os comentários, dúvidas e sugestões de vocês, abraços! bebe c papinha
   
Comentar (33 Comentários)

Ao nascer, o bebê possui cerca de 100 bilhões de células cerebrais. Por volta dos 3 anos, essas células desenvolvem 1 quatrilhão de ligações, o dobro de conexões de um adulto. Aos 4, estima-se que a criança tenha atingido metade do seu potencial intelectual!

Mas, quando pensamos em desenvolver ao máximo o potencial mental de nossos filhos uma questão importantíssima deve ser levantada: Afinal, o cérebro de uma criança precisa de quê? Estímulos? Amor? Comida? A resposta pode ser SIM, mas também pode ser, DEPENDE.

Muito mais que COMIDA, nosso cérebro precisa de Nutrientes! Estudos online slots comprovam que alimentos inadequados prejudicam o QI das crianças que muitas vezes, deixam de consumir vitaminas e nutrientes fundamentais para o desenvolvimento cerebral completo.

A alimentação é crucial nos primeiros três anos de vida, quando o cérebro cresce em ritmo mais rápido e os efeitos de uma alimentação pobre podem durar para sempre.

A boa notícia é que uma alimentação variada, desde o início da gestação, rica em alguns nutrientes como COLINA, GLUTAMINA, ÔMEGA3, DHA, entre outros, e o ALEITAMENTO MATERNO, podem contribuir muito para a preservação das células cerebrais e de suas funções. Além disso, quando se trata da saúde das crianças, sempre é tempo de fazer mudanças que resultem em melhor qualidade de vida!

Vamos cuidar da alimentação dos nossos filhos?

1 - bebe_lendo

Comentar (6 Comentários)
Fique bem informada!
Assine nossa lista gratuita

A gente se encontra por aqui e pela vida, sempre!

Newsletter

Informe seu email para receber informações gratuitamente.